Visita

Quando visitamos ambientes totalmente diferentes do nosso cotidiano, qual, em geral, é a nossa reação?

A mais frequente é comparar o que temos com aquilo que estamos vendo. Podemos nos sentir aliviados, nos auto-culpar, ou qualquer outra reação menos evidente.

Hoje visitei um lugar que para mim tem um potencial imenso, porque ali havia pessoas que, via de regra, são amáveis com você e atenciosas ao seu ser, – mesma visão que tive delas – o que deveria ser algo visto por todos. 

Enfim foi algo insólito… hoje sim o dia reservou-me uma bela surpresa.

 

Advertisements

Jardim pseudopteridófito

Não é preciso haver flores nesse jardim, as pessoas não dão atenção a elas,

Aqui as pessoas podem voar. De quê utilidade seriam as flores?

As pessoas ririam delas e perguntariam:

– De que serve a tua beleza, se não podes voar?

As pessoas estão insensíveis a terra, insensíveis às flores.

Se alguém disser que ama as folhas e os galhos, todos concordam,

realmente ninguém dá valor as flores, também elas não sabem voar,

de quê servem? dizem eles.

Na verdade não são flores, são raízes, definitivamente ninguém liga para elas,

ninguém as vê.

Eles estão insensíveis a terra, ninguém sorri.

Todos voam, mas isso não significa nada, um sorriso sim significa.

Marciel pereria

A tampa do fermento.

Delegou-se ao que não devia, e isso se repetiu durante um bom tempo.

Todos os pães que saiam sem a casca eram excluídos, era noite e ninguém podia perceber nenhuma cor, alguns punham a culpa em seus próprios olhos, a maioria, no entanto, percebia que o problema era a exclusão dos pães sem casca – e não os seus olhos, nem a noite.

Perceberam então que o fermento impreterível e indubitavelmente estava sem a tampa, esta por sua vez, ao que tudo indicava,  fazia com que os pães ficassem sem a casca.

Tampou-se então o fermento – na expectativa de esta ser a solução, mas agora os pães saiam sem o miolo.

Então pensaram eles:

– Faremos primeiro os pães com o fermento sem tampa e depois com ele tampado, após isso misturaremos os dois.

FIM.

Marciel Pereira

O acaso ocasionado.

se acaso acontecesse,

ocasionaria um acontecimento,

acontecimento nesse caso ocasionado pelo acaso,

que se acontecesse seria ocasional,

ocasionalmente se esse acontecimento acontecer…

será esse o caso.

 Marciel Pereira.

A manhã cinza

Talvez não deixe as árvores tão verdes quanto são – a manhã cinza,
Não deixa o céu tão azul quanto é – a manhã cinza

Essa sutil diferença deixa esta manhã cinza
com um tom prevalecente em cinza,
Todas as cores a nuances refletem um pouco em cinza.

A tarde também será cinza,
as flores secarão e cairão em um tom tristemente cinza
Serão jogadas num saco de lixo cinza
e carregadas por pessoas com um leve tom de cinza.

Minha esperança é pela noite, que não será cinza
seu tom será agradável, a escuridão sobreporá o cinza.

Marciel Pereira

Fragmento de O “grão de areia”

Chegou a hora da manhã que ninguém queria: seu fim, era hora de se despedir do Jardineiro, mas antes o jardineiro quis mostrar-lhes sua criação de aranhas — as quais criavam soltas, não cometeria a insensatez de prendê-las.

Ele sempre dizia que criar aranhas é bem mais do que as proteger das lagartixas.

A grã de areia percebeu que realmente não havia nenhuma cerca para as aranhas, mas sim um grande telhado, ela não entendia qual é a vantagem dos telhados, e disse:

— Tudo bem que ele nos proteja das chuvas, mas em má compensação eles nos separam das estrelas todas as noites, prefiro mil vezes as estrelas.

Ela não se dava conta de que o seu telhado era o grande mar, que na verdade não é telhado, por isso que ela não entendia — e imagino que nem nós agora.

Além das flores, a criação de aranhas era sua segunda paixão, mas não tocava ao amanhecer para estas, elas não são boas ouvintes, nem apreciadoras de música, preferem mímicas, preferem visual, gostam de usar bem seusolhos, nisso são imbatíveis.

Prosseguiu dizendo…

Quando se cria aranhas você aprende a amá-las sem esperar algo em troca, elas não retribuem nenhum sentimento, mesmo que você passe a vida toda defendendo elas das lagartixas e dizendo vez após vez que as ama, se você se aproximar demais elas te ferem, mas isso também tem seu encanto.

Depois que terminou seu raciocínio o jardineiro disse:

— Espero que vocês tenham gostado da música e do passeio que fizemos através da manhã.

O Grão de areia percebeu que o jardineiro disse que esperava alguma coisa deles, mas que havia dito antes que não esperava nenhuma retribuição das aranhas, o grão de areia havia achado que ele aplicava isso a toda a sua vida. Mas o Jardineiro respondeu:

— Vocês não são aranhas, são? Não que aja algum interesse meu, mas vocês são capazes de retribuir sentimentos, não tiro nenhuma lição da minha relação com as aranhas, tiro lições — e muitas — da minha relação com as flores, por que eu as amo e esse amor é mútuo, assim sempre esperamos algo um do outro.

Assim terminaram seu passeio através da manhã que já começava a se transformar em tarde.

 

Marciel Pereira